Portal das CalopsitasPortal das Calopsitas

Tudo o que você precisa está aqui!
Pesquisar no site:

Início / Cuidados Básicos / Saúde / A importância da prevenção / Conhecendo sua ave

 

  CONHECENDO SUA AVE


As aves tendem a esconder sinais quando sua saúde não vai bem.  Dizem que esse comportamento é resultado do processo evolutivo das aves, pois na natureza uma ave que demonstre estar doente é alvo fácil de predadores ou até mesmo por aves do mesmo bando.

Por essa razão, é muito importante conhecer o comportamento de sua ave.  Dedique alguns momentos observando-a, de forma rotineira,  e assim poder identificar com antecedência se algo não vai bem. 

Avaliar a dor nas aves é algo muito complexo, porque devemos levar em consideração as diferenças de idade, espécie, comportamentos individuais e fatores ambientais. As aves podem apresentar comportamentos diferentes, mais ou menos dolorosos. 

Portanto, muitos dos sinais clínicos podem estar associados a dor  : qualquer mudança no temperamento agressivo ou passivo, agitação, a relutância em se mover, falta de apetite, letargia, etc.

Podem evitar de fazer a costumeira limpeza das penas em uma determinada região do corpo por estar dolorosa ou, ao contrário, arrancar as próprias penas.

Portanto, qualquer alteração comportamental, bem como das fezes, espirros frequentes, penas eriçadas, etc., são sinais que podem indicar que sua ave não está bem.

 

Sequência de imagens de uma calopsita alterando o comportamento


fotos cedidas por Emile

  


  

 IDENTIFICANDO PROBLEMAS DE SAÚDE


A ave é acometida por uma doença por questões genéticas, dieta alimentar inadequada, instalações deficientes (sujas, estressantes), baixa imunidade,  contato com outras aves já doentes.
 

Sinais que indicam que a ave não está bem: 

1) Inatividade 

2) Perda de apetite (exceto em casos de mudança de ambiente, estresse, que pode haver uma perda temporária no apetite) 

3) Penas arrepiadas (geralmente acompanhado de tremores) 

4)Tremores (aqui cabe uma percepção maior do motivo do tremor, que pode também ser devido a frio ou medo) 

5) Ave sentada no poleiro, ou no fundo da gaiola (sonolenta ou não)

6) Ave no poleiro sonolenta na maior parte do tempo 

7) Ave no poleiro sonolenta, com a cauda balançando e arrepiada 

8) alteração nas fezes (diarreia, fezes líquida, fezes na cor preta, sangue nas fezes, urina esverdeada, amarelada, etc); modificação na cor dos uratros da urina, fezes com sementes mal digerida, diminuição na quantidade de fezes com aumento na quantidade de uratros, 

9) diminuição ou excessivo aumento do consumo de alimento e água (aqui cabe também uma avaliação por parte do criador, pois em épocas quentes é normal a ave ingerir mais água mesmo) 

10) respiração irregular (ofegante) 

11)olhos inflamados/avermelhados (podendo ser acompanhado de secreções/obstruções das narinas) 

12) espirros contínuos acompanhados de secreções 

13) secreção pelas narinas

 14) vômitos (água e alimentos ingeridos)  

15) alteração no peso ou condição física geral

16) ave aparenta leveza, quilha proeminente, devido a perda de tecido muscular do peito 
 

17) muda anormal e prolongada das penas 

18) patas e pés inchados

19) falta de força nas patas 

20) crescimento anormal de bicos ou unhas 

21) crostas nas narinas 


Observação :

 
Pés quentes não significam febre.  Quando a ave está com febre, fica amuada, arrepiada, quieta, geralmente no canto da gaiola.
 

  

 OBSERVANDO AS FEZES
 


Todo o proprietário de aves deve saber como as fezes normais são constituidas, e, mais ainda, observar as fezes (frescas)  periodicamente,  pois alterações significativas podem nos alertar que algo não vai bem com a ave.

As alterações das fezes costumam vir antes mesmo de a ave apresentar sintomas clínicos, permitindo que nós nos antecipemos levando a um veterinário.

As fezes são compostas de 3 partes : as fezes, o urato e a urina :

A primeira porção é chamada de fezes propriamente dita, de consistência sólida, podendo sua cor variar entre o verde escuro (aves que se alimentam de sementes) ou marrom (aves que se alimentam de rações).  As fezes podem apresentar outras colorações, dependendo do que for ingerido (por exemplo, a beterraba pode fazer com que as fezes tenham uma cor mais avermelhada, próxima a cor de sangue).  Por isso é importante prestar atenção ao que a ave consome para poder melhor avaliar as mudanças de cor das fezes.


                     fezes normais


 fezes normais (cor marrom decorrente da cor do alimento ingerido)
 

A segunda porção das fezes é chamada de urato, de cor branca e opaca.  É resultado da digestão e do metabolismo de proteínas pelo organismo, e é eliminado através dos rins.  Urato tingido de verde ou amarelo indica que a ave está com doença hepática.  Urato tingido de verde pode indicar que o pássaro foi acometido de infecção causada pela "Chlamydophila" (clamidiose).  Indicamos levar urgente o pássaro a um veterinário quando ocorrer alterações na cor do urato.

A terceira porção das fezes é chamada de urina, produzida pelos rins.  A quantidade de urina nas fezes vai depender da quantidade de líquido ingerido (água, frutas, vegetais).  Tem-se a falsa idéia que a  ingestão desses alimentos provoca diarréia, justamente pelas fezes tornarem-se mais aquosas.  É importante acompanhar de perto a quantidade de urina eliminada, pois pode ser decorrente de dença renal.

Outra observação importante é que as aves podem eliminar urina sem fezes e urato, ou eliminar urato e a urina sem fezes.

Vale ainda ressaltar que aves que passam por estresse (mudança de ambiente, acidentes, convalescença de doenças, etc.) podem ter suas fezes alteradas (diarréicas, verdes escuras brilhantes, uratos tingidos, etc.)  por um período, voltando ao normal.  Para melhor analisar as fezes, indicamos usar papel toalha no chão da gaiola ou de cor clara.  Alterações significativas e persistentes, devem ser relatadas ao veterinário.

 

 
                              

ALTERAÇÃO NAS FEZES


Na cor


fezes escuras (causas diversas, inclusive longo período sem se alimentar)



Na consistência e composição
 




 

 
Fezes de uma fêmea no ciclo reprodutivo, consideradas normais



Na coloração das fezes

Se um pássaro não se alimenta de nenhum alimento sólido por um longo período, a porção fecal pode se tornar preta, ou verde bem escuro (quase preto) e de consistência grudenta.  Este tipo de fezes geralmente é confundido pela presença de sangue, mas na verdade é a produção da bile.

Fezes pretas podem significar também sangue digerido (decorrente de enterites severas).  Não é um bom sinal, o mais adequado é levar a um veterinário para diagnóstico. 

Fezes verde escuro, urina tingida de verde ou amarelo, são indicativos de sobrecarga hepática (intoxicação, infecção, excesso de gordura na dieta, etc.)

 


fezes diarréicas com sangue, podem indicar sangramento vindo do sistema
digestivo, cloaca ou oviduto (o sangue é proveniente de hemorragias causadas
pela destruição de células intestinais)

 

 
As fezes também podem ser diferentes de uma ave para outra, pois algumas comem mais sementes, e têm as fezes mais durinhas e sequinhas, e outras preferem mais verduras e pão seco, bebem mais água, e assim têm as fezes mais volumosas e claras. Mesmo que elas vivam juntas e recebem o mesmo alimento, as fezes podem ser diferentes.
  

 


 


 


 

 

fezes amareladas, indicam má absorção e digestão dos alimentos por problemas
no pâncreas ou fígado


 

Na coloração do urina

Os rins excretam o urato (de cor branca) produzido pelo fígado.  Quando ocorre alteração na cor, como é o caso da imagem abaixo, pode significar que o fígado pode estar comprometido.  Problemas hepáticos podem ser causados por bactérias ou vírus, a maior parte das doenças é curável.

 


urato amarelo pode indicar problema no fígado

 

possível insuficiência hepática
 



Alterações graves:

- diarréia  : Se a porção fecal não está formada, é chamada de diarréia.  Importante saber que a presença de um volume maior de urina, não importa a quantidade que for, resultando em fezes aquosas, mas com a porção fecal sólida, não significa diarréia, o que é comumente confundida.  As fezes podem absorver urina, dando a falsa impressão de diarréia.

Na diarréia, as fezes podem sair como um jato, sem nenhuma parte sólida no meio, ou com pequenos pedaços no meio do borrão aquoso. Se as fezes da calopsita estiver dessa forma, procure rapidamente um veterinário.

A diarréia pode desidratar a ave em poucas horas, devido ao seu metabolismo acelerado.  Possíveis causas : 

.  indisposição intestinal (mudança abrupta da dieta, consumo em excesso de verduras e frutas, alergia ao alimento, etc);
.  parasitas, protozoários, viroses, toxinas;
.  água ou alimento contaminado;
.  alimentos inadequados à ave (ingestão de lactose, por exemplo).
 

Somente um veterinário para identificar a causa da diarréia e a medicação adequada (medicamento correto e na quantidade correspondente ao peso da ave).  Não se deve dar por conta própria antibióticos, pois conforme falamos anteriormente, as causas são diversas. 

Mesmo a ave sendo medicada,  uma diarréia não cura da noite para o dia. O que acontece é que a quantidade de água nas fezes vai diminuindo ao longo de uma semana. Se não houver resultado satisfatório em 3 dias com a medicação receitada, deve-se retornar ao veterinário.

As fezes não devem cheirar mal, quando isso ocorre pode ser sinal de doenças bacterianas.  A fêmea, quando está na fase de reprodução, pode apresentar fezes dessa forma, desde que pastosas.  Se sairem sob forma de jato (excesso de urina) e fétida, não é normal.

A presença de sementes nas fezes inicialmente pode ser um sinal de má digestão, má absorção do alimento pela flora intestinal, quer seja pelo próprio alimento (sementes velhas, com toxinas), como pelo uso de medicamentos (antibióticos) que atacaram também a flora intestinal.  Outras possíveis causas : parasitas, pancreatite, proventriculite, ventriculite, ou doença intestinal.  É importante o veterinário analisar as fezes e indicar o melhor tratamento, finalizando-o com o uso de probióticos.


                                fezes com sementes
 

O importante é observar o comportamento da ave: se apesar da diarréia ela se mantiver ativa, comendo normalmente, é porque a ave está conseguindo compensar a perda de água tomando mais água. Vale a pena, nesses casos, fornecer eletrolíticos (soro comercializado para estes fim, existem produtos veterinários, geralmente é um sachet que vc dilui em um copo ou litro de água), de preferência diretamente no bico, já que tem ave que rejeita o produto no bebedouro e termina por beber menos líquido do que deveria porque não consegue encontrar água fresca.  De qualquer forma, o ideal é não perder tempo e levar sua ave imediatamente, ao menor sinal de diarreia!!! 

- Fezes pastosas (com mais líquido que o normal, mas ainda com formato) são alterações comumente causadas por vermes ou alimento que nào fez muito bem.  As causas podem ser variadas e o tratamento deve ser feito seguindo orientação de um veterinário, após constatação. Vale citar a exceção no caso das fêmeas : devido à ação dos hormônios femininos na época da postura, as fêmeas adultas costumam ter fezes mais pastosas, volumosas, e fétidas, o que é considerado normal. 

- Intoxicação : quando a calopsita ingere algo que lhe faz mal, as fezes ficam verde-escuro, podendo tingir o urato e urina de verde. Se a ave estiver ativa e apetite normal, basta ministrar um anti-tóxico na água ou diretamente no bico, e mantê-la apenas com o alimento padrão(semente ou ração) por alguns dias, até as fezes voltarem ao normal. Se a ave tiver qualquer outro sintoma, como falta de apetite, apatia, penas arrepiadas, sono excessivo, procure um veterinário.

- Lesões intestinais : algumas infecções bacterianas agudas ou parasitas podem causar lesões intestinais e a calopsita passa a defecar sangue vivo, ou as fezes saem pretas, por causa do sangue digerido. Ambos os casos requerem auxílio veterinário.

Quando a ave está doente, deve ser isolada das demais aves e ser mantida aquecida (com lâmpada pequena, de forma indireta), em local pouco iluminado e silencioso.  Cubra a parte de cima e laterais com uma toalha ou um pano, para que dê à ave a sensação de proteção e tranquilidade que precisa nesse período.

 

IMPORTANTE !!

Para descobrir a real causa da alteração das fezes, pode ser necessário um exame mais específico das mesmas.  Mas antes mesmo disso, leve em consideração dados simples, do dia a dia, que interferem nas fezes, especialmente se estiverem diarréicas. 
 
A ordem da investigação é a seguinte :
 
1) estresse mudança ambiente
 
2) alimentação
 
    2.a) qualidade sementes (micotoxinas)
 
    2.b) ração (muitas aves tem diarreia por longo período devido à adaptação a ela, principalmente se tiver corante)
 
    2.c) qualidade da água (fonte de água, água suja de fezes, etc.)
 
    2.d) fungos no milho verde
 
    2.e) agrotóxicos nas verduras e legumes (procure descartar os talos, dê somente as folhas)
 
3) infecções parasitárias, vermes, coccidiose, etc. (somente é possível identificar por exame de fezes ou o vet examinando com microscopio)

4) pancreatite * (fezes amarelo ou verde bem claros)
     * são diversas as potenciais causas da pancreatite, que incluem obesidade, dieta com excesso de proteína, intoxicação por zinco, micotoxinas, e doença viral
 

Nas fezes diarréicas,  pode ser dado inicialmente um polivitamínico associado a aminoácidos e eletrólitos (Hidrovit) para ajudar a manter a ave hidratada e suplementar os minerais perdidos nas fezes por conta desse quadro, até o início do tratamento ministrado por um veterinário.  No quadro de fezes que apresentam alimentos não digeridos por má absorção do organismo, pode ser dado um probiótico para ajudar no restabelecimento da flora intestinal.

Em ambos os casos, a dieta da ave precisa ser readequada durante o tratamento : 

a) Alimentos que sejam facilmente digeríveis e de fácil absorção para facilitar o trânsito intestinal, 
b) Verduras, milho, devem ser evitados, 
c) Fornecer alimentos com baixo nível de fibras, e que contenham carboidrato facilmente digestível (sementes de canário, milheto, e aveia sem casca),
d) Diminuir o percentual de alimentos protéicos (farinhada, ovo, etc.),
e) Suplementação vitamínica (vitamina A e E) pode ser necessária,
f) Fornecer uma pequena quantidade de grit para ajudar na absorção dos alimentos e melhorar a digestão.

 

 As aves tem o trânsito intestinal rápido, por isso a alimentação influencia na cor, formato e consistência das fezes.

As características das fezes são diversas, dependendo da espécie,  idade e tamanho da ave, do período do dia, tipo de dieta consumida,  volume de água ingerida, doença renal e fígado, medicamento administrado, presença de patologias parasitárias, bacteriológicas, fúngicas e virais, etc.


 

 ORIENTAÇÕES IMPORTANTES 



1) HIGIENE : Aves com fome não descartam das vasilhas os alimentos deteriorados, nem água suja, por isso a higiene é primordial e a troca tem de ser feita diariamente.

 

2) ESPIRRO : Um espirro ou outro num dia é normal.  Geralmente os espirros vêm em sequência, e secos.  Os espirros podem ser decorrente de pó, cheiro de perfume, produto de limpeza, próximo à ave. Quando as narinas ficam úmidas e espirros seguidos várias vezes ao dia, podem indicar que a ave esteja resfriada.

 

3) RESFRIADO : O resfriado nas aves é quando o narizinho está úmido, às vezes chega a umidecer as peninhas ao redor do narizinho. Elas costumam espirrar também com frequência, especialmente quando estão se limpando com o bico. 

O resfriado nas aves geralmente é causado por uma infecção bacteriana, ao contrário do ser humano, que é viral.  

 Quando há formação de pus, pode formar um crosta amarelada em uma ou nas duas narinas. Ao contrário do que acontece com a gente, que o resfriado é viral, nas aves o resfriado é o primeiro sintoma de uma doença geralmente de origem bacteriana, e não é difícil que se desenvolva para penumonia. Algumas vezes, conseguimos ouvir um "chiado" vindo do peito. Por isso, se sua calopsita está com corrimento nasal, recomendamos levá-la imediatamente a um veterinário. 

Se a ave está apenas espirrando e o narizinho está sequinho, pode ser outra coisa, geralmente de pouca gravidade (odores, poeira, etc).

 

4) BOCEJO : Muita gente fica preocupada com os bocejos, achando que a ave está engasgada ou doente, mas é um movimento que quase todas as calopsitas fazem, algumas mais, outras menos.


5) PENAS QUEBRADAS : A quebra de penas, em especial as do rabo, geralmente é devido ao tamanho e formato da gaiola, bem como da forma que os poleiros estão disponíveis dentro do mesmo.  Isso também ocorre em aves mansas que andam pela casa, que se debatem nas gaiolas, podendo ocorrer, inclusive, sangramento. 

Para estancar o sangue, pressionar o local usando uma gase, ou algodão.  As penas que sangram são as que ainda tem o aporte sanguíneo, que estão em fase de crescimento.  Muitas vezes é necessário arrancar a pena com o canhão para estancar o sangue e evitar inflamação. 

Penas quebradas somente são renovadas na próxima muda de penas, ou se a própria ave arrancar.  Para agilizar o crescimento de uma nova, somente arrancando a pena com o canhão, segurando bem firme pela base e puxando bem rapidamente para ave nao sentir dor. 
 
Seguem abaixo ilustrações para melhor entendimento :

 


 
(imagens fornecidas por Eliana dos Santos Bertolazzi - RJ)

 

6) ARRANCANDO PENAS : As causas são diversas : 

     -  de ordem física/orgânica :
 

  •   dieta alimentar
  •   piolhos/ácaros (parasitas) de pena
  •  endoparasitas (giardíase), diagnosticado em exame de fezes
  •  alergia a produtos diversos (químicos, de limpeza, etc), fumaça de cigarro, alimento, etc .
     

      -  de ordem comportamental : 

  • estresse devido ao espaço que a ave está alojada
  • briga entre machos
  • macho querendo acasalar com a fêmea
  • quando a ave arranca suas próprias penas : estresse por solidão (vive sem companhia, perda de parceiro, falta de atenção de seu dono), proporcione à sua ave brinquedos, outra ave para companhia
  •  fase de muda de penas.

     

7) REGURGITAÇÃO 

 
Existe diferença entre vômito e regurgitação. A regurgitação é a devolução do alimento não digerido.
 

As aves costumam regurgitar alimento nas seguintes situações : 

a)  Para seu parceiro, como prova de afetividade e na época de reprodução. 

b)  Decorrente de patologias no papo (candidiase, vermes, etc.) 

c)  Alimentação ingerida, nesse caso, desconfie da mistura de sementes oferecida, e efetue a troca por uma nova, retirando o girassol;  desconfie da ração extrusada e suspenda momentaneamente; ofereça Hidrovit ou produto similar para dar hidratação à ave. 

Muitas vezes a ave  põe para fora o alimento, fica um pouco amuada mas logo volta a ficar ativa, etc., e isso é um bom sinal, mas se sua ave estiver ofegante, ingerindo muita água, é sinal que a intoxicação foi mais grave, e aí precisaria a ave ser medicada, o melhor é levar a ave a um veterinário urgentemente (dica, o Merceptron é muito bom para intoxicações em situações que o fígado não foi atingido).
 
 

8) MACHUCADO NAS ASAS

  
Quando há penas em crescimento na asa e a ave se machuca batendo-as contra a grade da gaiola, na parede, ou numa queda, os canhões acabam se quebrando e sangram.  As penas em crescimento recebem aporte sanguíneo, e o canhão que é através dele que a pena nasce, fica cheio de sangue, daí a razão do sangramento nesses acidentes.
 
Se a calopsita ficou muito estressada a situação, e o sangramento é pouco, evite pegá-la. Deixe-a descansar, e após um ou dois dias, volte a verificar o machucado. 
 
Quando o sangramento é intenso (demora a estancar), temos de pegar a ave na mão e, bem delicadamente (podendo envolvê-la numa toalha), abrir a asa comprometida, e tentar arrancar o canhão quebrado (com uma pinça é mais fácil), pois dessa forma o sangramento pára mais rapidamente.  Outra alternativa aplicar na região um estanca-sangue (se não tiver na hora, não tem problema) e pressionar com um algodão seco ou gase durante uns 10 minutos.  Depois desse tempo, tire o algodão devagar e veja se parou de sangrar.  Caso não tenha parado, faça mais compressa com o mesmo algodão, dessa vez apertano mais forte. 
 
Somente limpe a região no dia seguinte, mais de 24 horas depois de o sangramento ter parado, com água morna. 
 
É normal a ave ficar tristonha até se recuperar do susto.  Se a calopsita ficou muito estressada e o sangramento é pouco, evite pegá-la. Deixe-a descansar, e após um ou dois dias, volte a verificar o machucado. 
 
Indicamos ter em casa pó antisséptico AH, da empresa Limpinho, utilizado por veterinários para estancar sangramento quando se corta unhas de cães e gatos.
  
 

9) MACHUCADOS NA PELE

  
Para estancar sangue decorrente de machucados em outras partes do corpo, faça uma compressa com algodão seco por 10 minutos, isso diminui a circulação da região facilitando a formação de coágulo.  Faça limpeza apenas com água, podendo ser usado o Merthiolate (dependendo do tamanho do corte), que não arde e é bom para feridas, pois não atrapalha a cicatrização.  

Nada de passar pó de café, porque em contato com algum nervo lesionará o mesmo irremediavelmente.

 



Mapa do Site   |  Direitos autorais   |  Veterinários   |  Livro de Visitas   |  Fornecedores   |  Aves Perdidas/Encontradas   |  Criadores   |  Grupo de discussão

© Portal das Calopsitas - Todos os direitos reservados - Phelipp de Avila - Web Designer, Design Gráfico e Wordpress Theme Developer - 1 usuário online.