Portal das CalopsitasPortal das Calopsitas

Tudo o que você precisa está aqui!
Pesquisar no site:

Início / Cuidados Básicos / Reprodução / Iniciando-se na criação

 

 

 

A - DICAS PARA SER UM BOM CRIADOR


As exigências e os deveres de um bom criador são :
 

1) amor ao que se propõe a fazer, 

 

2) ser criterioso na escolha de suas aves, formação de casais, compra de gaiolas, etc., com visão de médio e longo prazo,

 

2) sempre buscar informações relacionadas à ave em todos os aspectos, pesquise em livros e publicações especializadas, converse com criadores experientes, participe de grupos de discussão, visite feiras de campeonatos, etc.;

 

3) proporcionar condições e ambiente adequado para reprodução,

 

4) paciência/persistência, acompanhar o dia a dia de suas aves, o desenvolvimento dos filhotes e a relação dos pais com filhotes e interferir quando necessário e rapidamente,

 

5)  criar/estabelecer sua rotina própria (se o criador não tiver uma rotina que facilite seu dia a dia, ficará o dia todo alimentando e cuidando das aves),

 

6) ter olhar clínico e agir no momento certo e com responsabilidade (o que se consegue com o tempo e vontade),

 

7) ter um veterinário com o qual possa contar e que tenha confiança,

 

8) orientar e dar informações aos seus clientes, e estes sentirem-se à vontade em pedi-las. 

 

Quais as condições ideais para a criação de calopsitas e os fatores que podem interferir nesse processo ?

 
  • a escolha de um casal (que deve ser sadio, na idade adequada para reprodução, capacitados sexualmente)
  • uma gaiola e ninho adequados
  • higiene
  • boa alimentação (ministrar pedra de cálcio ou osso de siba como fonte de cálcio)
  • ambiente tranquilo longe de crianças e pessoas estranhas
  • manter local fixo para a gaiola (evite mudar de local) e também não altere a posição do ninho

 

 

B - INFORMAÇÕES IMPORTANTES

 

1) Procure adquirir matrizes de fonte confiável para a formação de seu plantel.  Também é interessante  apostar na aquisição/criação de filhotes, para posterior formação de casais.  Desconfie de venda de aves adultas e já acasaladas, muitas vezes é descarte de criador, por não ser bons reprodutores, ou não estarem saudáveis.

 

2) Faça "quarentena" (isolamento) das aves recém-adquiridas, isto é, não as deixe com as aves de seu plantel, durante aproximadamente 30, 40 dias, pois eventuais doenças que elas tenham, podem se manifestar durante esse período, (devido à queda na imunidade na mudança de ambiente) e para que as mesmas possam ser tratadas antes de serem introduzidas definitivamente no seu criadouro.  O ideal é realizar exames clínicos e laboratoriais nas aves para se ter certeza se estão saudáveis.

 

3) A calopsita em cativeiro se reproduz o ano inteiro, mas temos que evitar acasalamento na época de muda de penas das aves, bem como com temperatura excessivamente quente e/ou com baixa umidade do ar.

 

4) A ave se torna sexualmente adulta com 12 meses de vida, e há criadores que só acasalam exemplares a partir de 18 meses.  Antes de um ano, podem ocorrer contratempos no processo reprodutivo : ausência do casal ou de um dos pares no choco, quebra dos ovos, ovos não galados, etc. Recomendamos não iniciar criação com aves com idade inferior a 12 meses.

 

5) Geralmente não costuma haver incompatibilidade quando se junta um Macho com uma Fêmea, uns se entrosam rapidamente, enquanto em outros casos pode haver uma demora no aceite de um pelo outro.  Se realmente o casal não se aceitar, o melhor é separá-los e tentar acasalar com outras calopsitas.

 

6) O manejo para formação de casais depende do criador.  Há aqueles que deixam as aves em colônia para se escolherem, e depois separa os casais formados em gaiolas individuais com ninhos.  Outros criadores formam os casais pelas suas características e do que se quer obter dos filhotes, para depois instalarem em gaiolas.

 

7) Após a colocação do ninho, o tempo aproximado mínimo para que a fêmea inicie a postura dos ovos é de 10 dias, podendo demorar muito mais tempo (dependendo do interesse em procriar, entrosamento do casal, saúde da ave, e da ave sentir-se segura no ambiente em que está).

 

8) No choco, o casal se reveza no ninho : o macho choca durante o dia enquanto a fêmea a partir do fim da tarde até a manhã seguinte.

 

9) Alguns casais, principalmente os que já tiveram filhotes antes, somente começam a chocar quando tiverem sido botados entre 2 a 3 ovos.  Portanto, não estranhe o fato de o casal não estar no ninho nos primeiros dias.
 

10) O período de incubação deva em média de 18 a 23 dias, dependendo da ausência no choco ou não e variações na temperatura.
 

11) Deixe uma banheira na gaiola para o casal, a água é importante para que o casal leve umidade necessária aos ovos.

12) Para a procriação, é necessário o mínimo de controle da temperatura ambiente (entre 24º e 27º) e da umidade relativa do ar (em torno de 70%) são vitais para evitar-se perdas.  Muito calor e falta de umidade suficiente favorecem à morte do embrião, deixa a casca do ovo dura e o embrião tem dificuldade de quebrá-la, e pode morrer antes de conseguir se libertar da casca.

A forma para adequar um criadouro a essa necessidade, acreditamos que dependa muitas vezes de criatividade do criador.  Esse controle pode ser feito através de uma boa ventilação do ar no ambiente, e da instalação de caixas d'água (pode-se criar lebiste nessas caixas para evitar a dengue)


 
 
 

C - PLANEJAMENTO




Antes mesmo de comprarmos nossas primeiras aves para o início da criação, é muito útil fazer um planejamento :
1) a criação é mais um hobby ou envolve o desejo de comercializar filhotes?
2) o que queremos criar e/ou obter de filhotes (coloração/mutação) ?
3) se a criação tem objetivo ou existe a possibilidade de venda de filhotes, será de aves domesticadas ou não?
3) quantos casais podemos formar (aí envolve a questão de espaço, disponibilidade de tempo em estar presente para acompanhar a criação)?
4) investimento necessário (despesas na compra de gaiolas, viveiros, alimentação, etc).


 
 
D - QUAL PERFIL DE CRIADOR VOCÊ SE ENCAIXA?


 
Pelo menos dois tipos de criador identificamos :

1) Aquele que quer resultados rápidos, sempre com sucesso, desanima facilmente.

2) Aquele que é persistente, não tem pressa, e não desiste nos momentos difíceis.  A criação torna-se para ele um desafio. 

O criador número 2 tem muito o que a aprender e também a ensinar, e esse é a parte bacana da criação, porque ele quer compreender, investigar, chegar a uma conclusão.  Respeita suas aves pela forma que são e tira delas (no bom sentido) o máximo de suas qualidades positivas. Este criador obterá mais sucesso, não apenas pelo resultado em si, mas pela oportunidade de ter aprendido.



Mapa do Site   |  Direitos autorais   |  Veterinários   |  Livro de Visitas   |  Fornecedores   |  Aves Perdidas/Encontradas   |  Criadores   |  Grupo de discussão

© Portal das Calopsitas - Todos os direitos reservados - Phelipp de Avila - Web Designer, Design Gráfico e Wordpress Theme Developer - 1 usuário online.